Assim como no clássico contra o Flamengo, o Botafogo mostrou queda de rendimento no segundo tempo na vitória sobre o Paraná por 1 a 0 nesta terça-feira, no Estádio Nilton Santos, pela Copa do Brasil, e gerou críticas por parte da torcida em relação ao trabalho de preparação física. Carlos Eduardo Éboli, comentarista das rádios Globo e CBN, disse que a cobrança no momento é indevida.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo

– Acho fora de hora esse tipo de cobrança. Não dá para esperar que o Botafogo vai sair goleando seus adversários porque joga em casa. Hoje a diferença não é grande entre Botafogo e Paraná. Teve mais uma vez uma queda no segundo tempo. A queda física muitas vezes se dá porque o time está correndo errado. E o Botafogo, no segundo tempo, correu errado, porque errou mais passes, jogadores estão mais cansados. Preparação física é um processo, nenhum time está com 100% de condição física com poucos jogos na temporada. Tem que ter uma certa paciência. Torcedor quer resultado, mas não é assim, o processo com um time limitado como é o do Botafogo não se dá do dia para a noite – opinou Éboli.

O comentarista fez pesadas críticas às substituições do técnico Paulo Autuori, principalmente no setor do meio-de-campo – ele sacou Alex Santana e Caio Alexandre para colocar Loco Cortez e Luiz Otávio durante o segundo tempo.

– Paulo Autuori, no meu entendimento, exagerou nas alterações. Eu não sei por que que tem que mexer. Só se for uma questão física, clínica… O time está bem, está encaixado, vai mexer para quê? Deixa jogar! Deixa o time sentir também um desconforto na partida e arrumar as soluções com aqueles jogadores que estavam bem encaixados. Estou falando da dupla Caio Alexandre/Alex Santana. Estavam bem encaixados, dando tranquilidade para o Bruno Nazário jogar, para a bola chegar com velocidade no Luiz Fernando… Aí o Paulo Autuori mexeu nos dois, quase que numa tacada só, e colocou Luiz Otávio e Cortez. O Cortez não entrou no jogo, cometeu muitos erros, não acertou um único passe e originou até alguns contra-ataques do Paraná. Os dois não deram liga e o Botafogo perdeu o meio-de-campo, o jogo ficou cheio de espaços e muito perigoso. O Paraná poderia ter empatado, mas não empatou porque falta qualidade mesmo – disse.

Por fim, Carlos Eduardo Éboli disse discordar das vaias da torcida após o final.

– O time não merece as vaias. Merece o reconhecimento, foi um time aguerrido, aplicado, que foi mais organizado no primeiro do que no segundo. Se desorganizou muito no segundo tempo por uma dupla mexida errada do seu treinador – finalizou.

Fonte: Redação FogãoNET