O dia a dia do Botafogo e o mundo do futebol perderam Valdir Espinosa. Figura importante nos bastidores do Estádio Nilton Santos nos últimos meses, o então gerente técnico do clube deixou um legado e seu nome marcado na história do Alvinegro, sendo o responsável por tirar, ocupando a função de treinador, o Glorioso de uma fila de 21 anos sem título com a conquista do Campeonato Carioca de 1989.

Valdir Espinosa era o dirigente de maior contato direto com os jogadores. Sua função era, entre outros aspectos, de fazer uma espécie de “ponte” entre as questões dos atletas e a direção do Botafogo. Por estar todos os dias no Estádio Nilton Santos e acompanhar diariamente cada atividade no campo anexo, acabou criando uma boa relação com o elenco.

Não por menos, a morte de Espinosa causou comoção em boa parte dos jogadores na última quinta-feira. Gatito Fernández e Joel Carli representaram o elenco no velório do ex-gerente técnico, mas preferiram não falar com a imprensa. No Nilton Santos, um minuto de silêncio e uma corrente de oração antecederam o treinamento realizado por Paulo Autuori.A presença de Espinosa, vale ressaltar, foi fundamental para a chegada do treinador ao Botafogo. Há cerca de duas semanas, quando Alberto Valentim foi desligado do cargo, o dirigente foi um dos maiores defensores do retorno de Autuori ao Alvinegro, clube no qual havia sido campeão brasileiro em 1995.

O comandante, ao lado de Renê Weber, seu auxiliar-técnico fixo, foi ao salão nobre de General Severiano. Em prantos, deu o último adeus ao companheiro e destacou a presença de Valdir Espinosa no dia a dia do Botafogo. O dirigente era, de fato, uma pessoa querida no cotidiano pelos corredores do Estádio Nilton Santos.

A diretoria já acionou os departamentos de comunicação e marketing e pretende realizar homenagens ao ex-treinador. Nas quatro linhas, a perda de alguém querido e importante no dia a dia vai unir ainda mais os jogadores e a comissão técnica neste começo de temporada. O Botafogo vai começar a tentar tocar a vida sem a presença de Valdir Espinosa.

Fonte: Terra