Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Taça Rio

22/05/21 às 15:05 - São Januário

Escudo Vasco
VAS

X

Escudo Botafogo
BOT

Taça Rio

16/05/21 às 11:05 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Vasco
VAS

Taça Rio

09/05/21 às 18:00 - Nilton Santos

Escudo Nova Iguaçu
NOV

0

X

1

Escudo Botafogo
BOT

Tênius revela apreensão específica na última cobrança do Náutico contra o Botafogo e elogia Gatito Fernández

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Gatito Fernández e Flávio Tênius após classificação do Botafogo sobre o Náutico | Copa do Brasil 2020
Reprodução/Botafogo TV

Botafogo x Náutico, pela segunda fase da Copa do Brasil, foi decidido apenas na última cobrança de pênalti, que terminou com a defesa de Gatito Fernández e a classificação alvinegra no Estádio dos Aflitos. No entanto, o herói da noite passou por segundos de “tensão” antes do chute do paraguaio Guillermo Paiva.

Preparador de goleiros do Botafogo, Flavio Tênius revelou que Gatito Fernández não tinha estudado o histórico de cobranças do seu compatriota e elogiou o talento do arqueiro.

– O último batedor foi um paraguaio. A gente não tinha ele no nosso estudo. A gente procurou, procurou, mas só tinha ele (Gatito) na hora ali. Além da informação (geralmente), ele tem a velocidade e uma leitura corporal do adversário muito boa. Antigamente a gente sabia os batedores, mas não tem isso mais na regra. Os dez jogadores ficam no meio-campo e ninguém sabe quem vai bater. O Gatito tem muito essa leitura corporal do batedor. Isso ajuda muito – contou e elogiou Tênius na noite do último sábado no Instagram.

O treinador também relatou como Gatito se dedica para estar preparado para as decisões. Ele também lembrou de uma vez que o goleiro paraguaio fez valer o estudo feito pelo Botafogo e defendeu um pênalti na temporada 2017.

– A gente treina uma ou duas vezes por semana, não interessa se vai ter jogo de disputa de pênalti, ele está sempre exercitando. É o acumulado de situações que ajuda. Os números são legais. Vou dar exemplo rápido: em 2017, o batedor do adversário tinha cobrado dez pênaltis no mesmo lado. Não tinha como mudar, se mudasse, o azar era nosso. O Gatito foi lá e pegou – lembrou o preparador, sem citar a partida.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas
Comentários