O protesto organizado por cerca de 30 torcedores na última segunda-feira mexeu com os jogadores e com o técnico do Botafogo. Vagner Mancini destaca que a cobrança por melhores resultados no Campeonato Brasileiro se explica por faltar futebol à equipe nesta largada ruim. Ele admite certa razão nas reclamações dos alvinegros, mas ressalta que o elenco se sentiu fragilizado pelas críticas recebidas durante o treinamento.

Os únicos poupados das ameaças e ofensas foram Emerson Sheik e Edilson. Em crise, o Botafogo tenta iniciar recuperação na próxima rodada do Brasileirão, quando enfrenta o Palmeiras, às 19h30 da quarta-feira, no Prudentão. O Botafogo está na zona de rebaixamento, com apenas cinco pontos conquistados e na 17ª colocação.

“É uma situação chata. Respeitamos o torcedor, mas também nos sentimos fragilizados. A melhor resposta que podemos dar à torcida e dar atenção a eles e fazer um bom jogo contra o Palmeiras”, explicou Mancini.

Apesar de fazer ressalvas quanto à atitude dos torcedores que invadiram o estádio Eustáquio Marques, em Curicica, para protestar, o treinador do Botafogo dá razão às reclamações. “Está faltando futebol, falta alguma coisa ao time. A parte física é uma delas, mas também o futebol”, analisou o técnico.

O comandante alvinegro pede uma boa atuação de seus jogadores para iniciar reação e conseguir ter de volta os torcedores insatisfeitos. “No jogo diante contra o Palmeiras, o Botafogo tem que buscar a vitória para que a somatória de pontos seja interessante e ter uma boa sequência até a Copa do Mundo”, avisou.

Com sinceridade, o treinador destaca que não tem como mudar o time ou fazer testes depois de mais um tropeço no Campeonato Brasileiro – empate por 1 a 1 com o Vitória.”Não tenho muita opção. Vamos entrar com o mesmo time do último jogo e tentar fazer com que a equipe possa render o esperado”, completou.

O Botafogo encara o Palmeiras nesta quarta-feira com a seguinte formação: Renan; Lucas, Bolívar, André Bahia e Junior Cesar; Airton, Bolatti, Edilson e Zeballos; Wallyson e Emerson Sheik.

Fonte: UOL