Herói em 1989, Maurício se despediu do principal responsável por ter lhe dado a chance de ter feito o gol do título daquele Campeonato Carioca. O ex-atacante esteve presente no velório de Valdir Espinosa, realizado na tarde desta quinta-feira, em General Severiano.

Um dos primeiros jogadores daquele elenco de 1989 a chegar na sede social do Botafogo, Maurício relembrou Valdir Espinosa de uma forma carinhosa, além do campo e bola e do tratamento dentro das quatro linhas.

– Eu perdi um grande amigo, uma pessoa muito querida. Não era professor, era psicólogo, uma pessoa que tinha um carinho com todos os atletas, em uma igualdade fantástica. Um cara que pensava sempre no próximo. Esse legado que ele deixou para a gente e essa conduta que ele deixou: ajudar a quem precisa, sem olhar nada – afirmou.

O atacante ressaltou a gratidão ao ex-treinador por ter acreditado e lhe dado confiança há 31 anos. Antes daquele Campeonato Carioca, Maurício era visto com certa desconfiança pela torcida, mas, de acordo com as próprias palavras, nunca teve nenhum tipo de questão levantada por Valdir Espinosa. Além disto, o ex-atleta revelou que havia recebido um convite para trabalhar no Botafogo do então gerente técnico e avaliava a possibilidade.

– Ele conseguiu, naquele grupo de 89, trazer esses jogadores tidos como indisciplinados, Maurício, Josimar e outros, e, com técnica de psicólogo, agregar tudo e fazer com que nos tornássemos campeões. Nos encerramos nossas carreiras, mas continuamos com a amizade. Ele até queria me trazer para cá, me colocar como um dos gestores da base – completou.

Fonte: Terra