Dirigente influente no Botafogo e membro do Comitê Gestor de Futebol do clube, Carlos Augusto Montenegro deu sua opinião sobre as trocas recentes no comando técnico da equipe profissional e considerou que houve um erro ao demitir Eduardo Barroca logo após a 23ª rodada do Campeonato Brasileiro do ano passado. Para ele, a pressão da torcida contribuiu para a mudança.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

– O Barroca estava bem ano passado, estávamos na zona de classificação para a Sul-Americana, começou uma série de maus resultados, estacionamos na classificação e houve uma pressão. A torcida ajuda a trazer jogadores, no sócio-torcedor, etc, mas às vezes exagera um pouco, às vezes xinga, às vezes aplaude. Talvez nosso maior erro não foi ao trocar o (Alberto) Valentim (esse ano), foi em ter tirado o Barroca. Talvez devêssemos ficar com ele até o final do campeonato. Houve uma pressão grande e ele acabou saindo. Dizem que a torcida do Botafogo é um pouco impaciente, mas eu sou torcedor também – afirmou Montenegro ao Canal do TF, nesta sexta-feira.

Logo após a queda de Barroca, o Botafogo trouxe Alberto Valentim, técnico que havia sido campeão carioca pelo clube no ano anterior. Porém, o Glorioso caiu da 12ª para a 15ª posição no Brasileirão, ficando fora das competições internacionais. Valentim virou o ano, começou o Carioca, mas foi demitido em fevereiro, quando chegou Paulo Autuori.

– O Valentim é um ótimo profissional, está começando a carreira, corretíssimo, educadíssimo, às vezes um pouco teimoso, que infelizmente não deu certo. Trouxemos o Valentim de novo porque foi bem, campeão em 2018. Muitos dirigentes não trariam ele de novo, porque logo depois do campeonato ele saiu de forma abrupta, para o Egito. Terminou o ano horrível, não caímos, mas perdemos a Sul-Americana. Mas tudo bem, começou o ano, teve tempo para treinar, e sinceramente o time não foi bem, alguns resultados acachapantes, o time mal postado, passava impressão de estar mal treinado, muito espalhado, e o que acabou derrubando ele eram as explicações depois dos jogos. Dava a impressão de que o time estava bem e o que se via em campo era outra coisa totalmente diferente. Tomou 3 a 0 no primeiro tempo do Fluminense, quase que leva uma enfiada tremenda. Não estava legal – disse Montenegro.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo

Elogios a Jair Ventura no Botafogo

Montenegro também falou sobre outro técnico recente, Jair Ventura, que conduziu o Botafogo até as quartas de final da Copa Libertadores da América em 2017. O dirigente citou novamente a torcida, que ficou na bronca com o treinador por conta de declarações infelizes dadas à imprensa, mas teceu elogios ao filho do craque Jairzinho.

– Hoje tem parte da torcida que não gosta do Jair Ventura. Eu gosto, gosto de todos. Além de ser um excelente técnico, ouvi algumas preleções dele e é impressionante, é cativante, ele é muito bom, e é filho do nosso Jair querido. Mas a torcida não gosta, porque ele foi falar de Everest, saiu querendo ganhar muito mais no Santos… O nome dele sempre volta quando alguém sai, mas fica marcado às vezes – disse Montenegro.

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do TF