A situação do Botafogo se complicou ainda mais na busca pela vaga na Libertadores do ano que vem. Antes dependendo só de suas forças para alcançar o G-4 do Campeonato Brasileiro, a equipe agora precisa torcer por outros resultados na última rodada, além de vencer o Criciúma dentro de casa. O penúltimo desafio na competição terminou em derrota por 2 a 1 para o Coritiba, que ainda respira na luta contra o rebaixamento, e teve como destaque negativo um frango completamente atípico de Jefferson, goleiro de seleção brasileira, que viu uma cabeçada sem força de Deivid passar entre suas pernas e morrer no fundo do gol.

Entre os destaques, aparece um momento positivo: a homenagem mais do que merecida ao ídolo Nilton Santos, que faleceu na última quarta-feira. Os jogadores entraram com uma camisa retrô com a assinatura do eterno camisa 6, e ainda usaram o numeral em cima do escudo do clube no uniforme de jogo. Para completar a lista, três momentos desagradáveis: o choque feio de cabeça entre Gil, do Coxa, e Rafael Marques, dois chutes para longe de Gabriel, e uma jogada completamente atrapalhada, onde Lodeiro, Julio Cesar e Seedorf desperdiçaram boa chance em falta próxima à grande área.

O FRANGO DE JEFFERSON

Um lance para o goleiro da seleção brasileira esquecer. Depois de cobrança de falta de Alex, Deivid apareceu sozinho dentro da área para escorar de cabeça em direção ao gol. Uma bola sem força, com direção ao centro da meta de Jefferson, mas que acabou entrando após o camisa 1, em lance completamente atípico, deixar passar entre as suas pernas. O Coritiba abriu o placar no Couto Pereira, e o camisa 9, que não tinha nada a ver com o frango, saiu para comemorar.

TRIBUTO A NILTON SANTOS

O Botafogo perdeu um dos maiores ídolos de sua história na última semana. Aos 88 anos, Nilton Santos faleceu na quarta-feira e, como não poderia deixar de ser, recebeu homenagem póstuma na primeira partida após sua morte. Os jogadores alvinegros entraram vestindo um uniforme retrô, famoso pela assinatura do eterno lateral-esquerdo, e ainda ostentaram mais reverências na camisa de jogo, toda preta. Acima do escudo da estrela solitária, um número 6 pôde ser observado ao lado de uma pequena faixa, representando o luto.

CHOQUE DE CABEÇAS

O Coritiba atacava aos 14 minutos do primeiro tempo, quando a bola sobrou pela ponta direita de seu campo ofensivo. Na disputa, Gil e Rafael Marques, que subiram para tentar o cabeceio, mas acabaram se chocando no ar e desabando no gramado. Os dois se deram mal e acabaram com cortes em seus supercílios. Depois de serem atendidos, retornaram ao jogo com “adereços” – o volante com uma faixa verde e o atacante com touca de natação – para estancar os sangramentos. O jogador da equipe paranaense ainda causou confusão depois, por ter sido retirado pelo árbitro devido a manchas vermelhas em seu uniforme.

CHUTES DE GABRIEL PARA LONGE

O volante Gabriel foi quem mais finalizou, não só pelo lado botafoguense, mas entre todos os jogadores que atuaram na tarde de domingo no Couto Pereira. Foram cinco arremates ao gol de Vanderlei, e um deles inclusive levou bastante perigo, obrigando o goleiro do Coritiba a fazer ótima defesa. Porém, duas finalizações do camisa 15, ainda no primeiro tempo, chamaram a atenção por passarem muito longe da meta adversária. A bola foi maltratada aos 10 e aos 21 minutos de jogo, indo parar muito longe do gol.

JOGADA NADA ENSAIADA

Lodeiro tentava jogada individual e acabou derrubado por Victor Ferraz. Falta perigosa a favor do Botafogo, que certamente animou os torcedores do clube carioca. Aos 43 do segundo tempo e com o placar desfavorável – 2 a 1 -, era uma boa chance de deixar tudo igual no Couto Pereira. Mas uma trapalhada colocou tudo a perder. Posicionados, estavam o uruguaio botafoguense, Seedorf e Julio Cesar, mas a combinação não foi bem feita. Lodeiro rolou com certa força para o lateral-esquerdo, que dominou numa posição diferente da trajetória tomada pelo holandês. Com isso, nada de lance perigoso e sim mais irritação para os alvinegros.

Fonte: Globoesporte.com