Participação de Seedorf em gols cai em seu jejum de 8 jogos

Compartilhe:

O momento de Seedorf com a camisa do Botafogo não é dos melhores. Há oito jogos sem fazer gols, ele vive seu pior jejum pelo clube, que culminou a cobrança de pênalti despediçada na derrota por 3 a 0 para o Cruzeiro, quarta-feira, no Mineirão, quando o placar ainda estava 1 a 0. A última vez que balançou a rede foi no dia 15 de agosto, no empate em 3 a 3 com o Internacional, justamente de pênalti.

Mas a situação não se limita apenas à falta de gols. Até sua participação nas vitórias do Botafogo tem sido mais discreta. Nessa série de oito jogos de jejum, ele deu apenas duas assistências, ambas na primeira partida da sequência, quando o time venceu por 3 a 1 a Portuguesa.

De lá para cá, Seedorf chegou a perder chance sem goleiro, no jogo contra o Corinthians, e teve apenas uma participação em gol, mas que não contabilizou como assistência. No empate em 2 a 2 com o Atlético-MG, no Independência, pela Copa do Brasil, ele cobrou uma falta da intermediária, que resultou no gol de Dória, depois de uma disputa de bola de Alex.

– Seedorf tem se recuperado muito bem como toda a equipe do Botafogo. Em mais algumas rodadas, ele, Rafael Marques, Marcelo Mattos vão acabar sentindo sim por terem iniciado e terminado quase todos os jogos. E com a evolução dacompetição os adversários criam estratégias de marcação, inclusive com faltas violentas, o que tem acontecido recorrentemente – disse o técnico Oswaldo de Oliveira.

Seedorf Cruzeiro e Botafogo (Foto: Samuel Costa / Agência estado)
Seedorf em ação contra o Cruzeiro: noite infeliz (Foto: Samuel Costa / Agência estado)

Antes do jogo com o Cruzeiro, Seedorf chegou a reclamar publicamente das faltas que sofridas nos últimos jogos. Oswaldo apoiou seu jogador, mas acredita que o estudo dos adversários não só do holandês mas do Botafogo tem sua influência no seu rendimento.

– Isso vai desestabilizando o jogador e ficou claro quando fez a sua explanação a respeito. Mas estamos vendo que o conhecimento dos adversários do jogo dele e do Botafogo aumentou. Isso é cíclico. O Náutico lá no início marcou o Seedorf individualmente, ficou todo retrancado e ele não conseguiu jogar – explicou Oswaldo.

Contra o Cruzeiro, o treinador tentou até utilizar Seedorf como volante depois da saída de Renato por lesão. A estratégia foi uma tentativa de reagir no jogo, o que acabou não acontecendo.

– É o macaquinho que namora a girafa. Sobe e beija, desce e abraça. Sabia que teria decréscimo de marcação. Mas Seedorf já atuou ali e tem tanta ou mais qualidade do que o Renato para isso. Queria aproveitar o Hyuri e esse foi o meu raciocínio – disse o treinador.

Mesmo com todas as dificuldades expostas, Oswaldo ainda acredita que Seedorf será o grande líder do time na sequência da temporada. O Botafogo tem 42 pontos no Campeonato Brasileiro e ocupa a segunda colocação. O líder é o Cruzeiro, com 49. Na Copa do Brasil, o time enfrenta o Flamengo nas quartas de final da competição.

– Há muita coisa para acontecer e jogos para serem jogados. O Seedorf ainda vai jogar muito bem em outras partidas – afirmou Oswaldo.

O próximo jogo da lista é contra o Bahia, domingo, no Maracanã. O adversário briga para se manter fora da zona de rebaixamento.



Fonte: Globoesporte.com
Comentários