Após mais de três meses, o técnico Alberto Valentim voltou a se pronunciar sobre sua demissão do Botafogo, ocorrida após uma derrota para o Fluminense por 3 a 0 no dia 9 de fevereiro, pelo Campeonato Carioca. Segundo ele, a cultura do futebol e a crise financeira que o clube atravessa foram cruciais para sua saída.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

– É nossa cultura mesmo. Fala-se muito em projeto e, muitas vezes, é da boca pra fora. Todo mundo sabe das dificuldades financeiras do Botafogo, a gente fez um planejamento de pré-temporada, de iniciar os dois primeiros jogos com um time alternativo, em que a maioria dos jogadores não seria aproveitada para a temporada e perdemos os dois jogos, o que não foi incomum – afirmou Valentim ao Globoesporte.com, completando:

– Depois de um derrota no clássico (3 a 0 para o Fluminense), tudo bem que expressiva, mas até aquele jogo eu estava invicto, com três vitórias e um empate, passando de fase na Copa do Brasil. É a cultura do nosso futebol, que muitas vezes é levada mais pela paixão do que pela razão.

Alberto Valentim comparou essa passagem com a anterior, quando levou o Botafogo ao título do Carioca em 2018, dizendo que a situação financeira estava ainda pior e citando até mesmo a ausência de Anderson Barros, ex-diretor de futebol do clube.

– Uma coisa que está muito evidente é que o clube está muito diferente em relação à minha primeira passagem, com problemas financeiros gravíssimos. Na minha primeira passagem não foi assim: tinha o Anderson, que nos dava um apoio muito grande, o clube estava em dia com salários, o que deixa o trabalho mais fácil para jogadores, comissão técnica, funcionários – frisou.

Fonte: Globoesporte.com