Técnico do Botafogo elogia melhorias no Lonier e cita ‘contexto Brasil’ para ter aprovado gramado sintético no Nilton Santos

43 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Técnico do Botafogo elogia melhorias no Lonier e cita ‘contexto Brasil’ para ter aprovado gramado sintético no Nilton Santos
Vitor Silva/Botafogo

O técnico Luís Castro deixou transparecer que não é mesmo fã de gramados sintéticos, mas afirmou, em entrevista coletiva nesta quinta-feira (12/1), que aprovou a instalação do piso no Estádio Nilton Santos por causa do contexto. Ao ser perguntado sobre o assunto, no primeiro contato com a imprensa no Rio em 2023, o treinador do Botafogo fez muitos elogios à melhora estrutura do CT do Espaço Lonier, tanto na parte interna quanto nos campos.

Participei do processo (de escolha do gramado do estádio)… É uma pergunta difícil essa. Quando disse que o gramado do CT era bom para estacionar carros foi um choque para muita gente, eu quis dizer isso para terem noção da dureza do piso e fui muito mal interpretado. Tenho que medir muito bem as palavras. Primeiro, quero enaltecer os campos do Lonier. Houve um grande trabalho das pessoas que nunca aparecem nas câmeras, hoje temos três campos muito bons. Quero enaltecer os diretores de infraestrutura e o Mazzuco pela luta que travaram para que as instalações fossem melhoradas, hoje nos sentimos muito bem dentro delas – iniciou Castro.

Nas cinco maiores ligas do mundo há algum campo sintético? Não há. Mas existe um contexto Brasil, que é diferente. E dentro desse contexto, aceito e aprovo como o Athletico-PR aceitou e aprovou, como o Palmeiras aceitou e aprovou e têm sucesso com suas equipes – completou.

O técnico Luís Castro falou com muito carinho do Espaço Lonier, como o Boletim do C.E já havia informado mais cedo nesta quinta-feira aqui no FogãoNET.

Eu adoro o Lonier. É inspirador, tem energias muito boas, o mundo é feito de energias e o Lonier nos dá essa energia. E é uma paz incrível que temos aqui. Sou um apaixonado pelo Lonier. O treinador tem sempre um fim nos clubes, mas eu gostaria de levar a estrela, que é um emblema lindíssimo, acho o mais bonito do mundo, e o Lonier eu levava comigo – frisou o treinador.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas