Não era o desejado, mas pré-temporada 2023 no Rio de Janeiro não preocupa o Botafogo: ‘Luís Castro adora o Lonier’

18 comentários

Carlos Eduardo Sangenetto

Carlos Eduardo Sangenetto

Compartilhe

Luís Castro, técnico do Botafogo, no Espaço Lonier
Vítor Silva/Botafogo | Instagram (@luis_castro_official)

Exigente, com razão, em relação à estrutura de treinamentos do Botafogo desde que chegou ao clube, Luís Castro retornou das férias na última segunda-feira (9/11) para dar início às atividades de 2023. Era esperado que o Glorioso viajasse para os Estados Unidos para a realização de uma pré-temporada, no entanto, por motivos políticos extracampo, a preparação alvinegra será no Rio de Janeiro, mais precisamente no Espaço Lonier. O fato de o Fogão permanecer em terras cariocas criou uma certa apreensão, sobretudo por parte dos torcedores, de que o português poderia ficar descontente com o planejamento. Contudo, o Boletim do C.E, do FogãoNET, apurou que há quem garanta o contrário nos bastidores do Estádio Nilton Santos.

Em entrevista coletiva no fim de novembro do ano passado, Luís Castro ressaltou que gostaria de dar um descanso de cinco a seis semanas ao elenco por conta de uma “época muito desgastante” em 2022. E conseguiu. O plantel teve 35 dias completos de férias. Porém, para pré-temporada, o técnico tinha planos diferentes do que certamente veremos pela frente.

Precisamos de, no mínimo, quatro semanas (28 dias) para colocar a equipe em competição“, projetou em 25/11, sendo que o Botafogo precisa atuar com um “time titular” contra o Madureira, dia 26 de janeiro, pela quarta rodada do Campeonato Carioca, para não ser severamente multado pela Ferj.

Voltemos. Mas onde seria essa preparação? Já era tratado internamente a possibilidade de que fosse feita uma viagem para os EUA, inclusive com declarações de John Textor, acionista majoritário da SAF, em outubro, em um evento na Flórida, de que gostaria de ver o Botafogo fazendo uma “pré-temporada de verdade” na América do Norte. Como já divulgado, isso tornou-se inviável.

Algumas alternativas foram analisadas e oferecidas, como viajar para Atibaia, em São Paulo, entretanto nada avançou. Sobrou o Rio de Janeiro e o já conhecido Espaço Lonier como única opção. Logo o Lonier, que já foi apontado por Castro como “abandonado” em seus primeiros contatos com o local, mas que foi recebendo “constantes melhorias” com o passar do tempo. Antes mesmo do fim das férias e do reencontro com o CT na Zona Oeste “repaginado”, com “upgrades” apresentados no gramado, a preocupação era zero.

O Luís Castro adora o Lonier“, assegurou uma liderança da SAF do Botafogo ao FogãoNET.

E o retorno do professor ao CT tem sido com elementos positivos (e públicos). Começando pela recepção e interação carinhosa com a torcida que customizou as proximidades, passando pela comunicação do clube informando “investimento e cuidado especial” em três campos do Lonier e chegando às recentes manifestações do próprio treinador na internet.

“Dia de ótimas sensações“, publicou Castro no dia da reapresentação (9/1), no Instagram.

Espaço em que todos os dias somos iluminados pela Estrela Solitária“, acrescentou o mister, no dia seguinte, na mesma rede social.

Motivado em uma “pré-época doméstica”, Luís Castro e o elenco principal do Botafogo tem 17 dias cheios, longe do previamente desejado, até a estreia “para valer” no Estadual. Nas três rodadas iniciais, contra Audax (15/1), Volta Redonda (19/1) e Vasco (23/1) o Glorioso deve ir a campo predominantemente com jogadores da equipe B, treinada pelo técnico Lucio Flavio, que lidera as atividades desde o dia 15 de dezembro.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas