Textor ‘desliga’ tradutor do Twitter contra críticas e vê torcida do Botafogo confiante no projeto: ‘Preciso fazer meu trabalho, não posso ser tão emocional’

77 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Textor ‘desliga’ tradutor do Twitter contra críticas e vê torcida do Botafogo confiante no projeto: ‘Preciso fazer meu trabalho, não posso ser tão emocional’
Vitor Silva/Botafogo

Muito ativo nas redes sociais quando chegou ao Botafogo, John Textor tem se afastado do Twitter nos últimos meses. Em entrevista na live do FogãoNET no YouTube nesta terça-feira (24/1), o acionista majoritário da SAF alvinegra disse que não clica mais no botão de traduzir das redes sociais para evitar encontrar críticas e reforçou o sentimento de que a torcida alvinegra está confiando no projeto.

Estou aprendendo português mais rapidamente do que preciso, mas é bom não estar entendendo agora (risos), porque muitas das críticas só leio se eu pressionar o botão de traduzir no Twitter, e não estou mais apertando o botão de traduzir. Preciso fazer meu trabalho, não posso ser tão emocional. Sei que 90% dos fãs queriam que eu demitisse Luís Castro (no ano passado), mas eu ainda não tinha dado as peças para ele ter êxito, e ainda tivemos oito, dez jogadores machucados em média. Eu não podia exigir dele – disse Textor, citando também o empréstimo de Erison ao Estoril no meio do ano passado:

Tive que tomar muitas decisões impopulares. Emprestei o Erison quando ele tinha 15 gols no ano, eu sabia quem iria trazer, que ele ficaria no banco e que não iria se desenvolver, tanto para sua carreira como para trazer recursos para o clube depois. Não sou arrogante, sei que tomarei decisões que podem depois terem se mostrado erradas. Sei que a maioria dos torcedores vê que o projeto está indo na direção correta. As duas únicas formas de brigarmos por títulos nesse momento é se gastarmos um monte de dinheiro que não temos agora, ou então construir pouco a pouco um futuro sustentável.

Num dos pontos da entrevista, John Textor voltou a falar sobre política de contratações e reforçou a busca por investimentos em jovens com potencial.

Temos capital agora para investir em jogadores, só temos que achar boas oportunidades para achar atletas que se convertam em ativos. É improvável investir em atletas agora pelos quais a torcida clama, são jogadores que de repente custam muito caro, vão jogar dois ou três anos e depois eu não consiga vender por nada. Jogadores jovens, com alto potencial, são os que vamos buscar para comprar – explicou Textor.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas