Não foi a melhor atuação. Nem poderia ser em se tratando de uma estreia de treinador e justamente em um confronto decisivo. Porém, o goleiro Gatito Fernández e a camisa alvinegra pesaram e a classificação do Botafogo na Copa do Brasil aconteceu nos Aflitos, onde o Náutico tem sido um osso duro de roer. Agora o Glorioso vai esperar pelo adversário que sai do confronto entre Bahia de Feira e Paraná Clube.

A escalação trouxe surpresas, como Cícero jogando mais avançado. O primeiro tempo não foi de todo mal. O Botafogo conseguia trabalhar a bola e tentava encontrar, com dificuldade, o bom caminho. Há de questionar se o gol do Náutico foi justo. Mas não dá para discutir justiça no futebol.

Banner da loja do FogãoNET para faixa japonesa

Luiz Fernando fez a jogada do gol

Na volta para o segundo tempo Pedro Raul entrou no time. O Botafogo é sempre mais perigoso com este jogador, mesmo sem ele estar no melhor da forma física. Ele consegue transmitir para a defesa adversária a sensação de que é preciso se preocupar o tempo todo.

Luiz Fernando entrou e fez a jogada para o gol do empate. Só não conseguiu comemorar tanto porque foi o único botafoguense a desperdiçar a sua cobrança nas penalidades. Segue dando a sensação de que pode progredir, mas algo o impede. Mas quem tem Gatito Fernández tem tudo em uma hora como essas. O goleiro fez a diferença.

Além do goleiro, a camisa botafoguense fez ainda mais diferença e isso foi nítido em campo. Mesmo sem jogar bem o Alvinegro conseguiu transmitir insegurança ao Náutico. Agora Paulo Autuori ganha mais tempo para corrigir os erros e melhorar o time, que ainda terá Honda e se tudo correr bem Yaya Touré.