Modelo de Textor para clubes é interessante e Botafogo pode lucrar muito

55 comentários

Blog do Mansell

Blog do Mansell

Compartilhe

Modelo de Textor para clubes é interessante e Botafogo pode lucrar muito
Vitor Silva/Botafogo

John Textor tem falado muito sobre a relação entre os clubes que tem participação. No caso Botafogo, Crystal Palace, Lyon e RWD Molenbeek. O empresário toma o máximo de cuidado para deixar claro que não existe um clube dependendo do outro ou um time maior do que o outro. Inclusive vem agindo da forma que pensa. Mas uma frase dele deixa clara a sua estratégia. E é justamente ela que pode defender o Botafogo no mercado futuro.

Me refiro ao trecho da entrevista dada aos canais do Lyon em que Textor diz: “Dinheiro é a palavra de ordem no futebol hoje em dia, quebrou algumas ligas profissionais, com a chegada de estados petrolíferos ou oligarcas que criaram clubes que dão resultados, em todo o mundo”.

MAIS! CBF sobe no banco para escapar do Botafogo

De fato o dinheiro vem sendo fator cada vez mais decisivo no futebol mundial. Quem tem vai bem. Quem não tem precisa ser criativo para tentar sobreviver e mesmo assim com quedas e rebaixamentos. Que o diga o próprio Botafogo até 2021.

MAIS! O cuidado que Luís Castro deve ter ao montar o Botafogo

Textor entrou no mercado brasileiro pelo Botafogo em um cenário em que vários outros grandes estão virando empresa, como Vasco e Cruzeiro. Além disso existem marcas que estão se fortalecendo neste novo universo, como o Bragantino. Também teremos outros tradicionais crescendo por conta dessdes investimentos, como o Bahia. Quem não está neste meio está doido para entrar, haja vista as entrevistas de Rogério Ceni no São Paulo implorando investidores.

Colaboração deve existir

John Textor, acionista de Botafogo, Lyon, Crystal Palace e RWD Molenbeek
John Textor é acionista de Botafogo, Lyon, Crystal Palace e RWD Molenbeek

Ao criar um modelo de preocupação comum entre os clubes, Textor de certa forma se posiciona em um mercado onde realmente tem visto dinheiro de muitos cantos e procedência duvidosa, como os mercados árabes. Além disso não dá para sair metendo dinheiro sem critério e possibilidade de recuperá-lo como esses fazem.

MAIS: Erison no São Paulo? Botafogo não pode reforçar rivais

Com certeza Textor caminha para um modelo de monitoramento de destaques em vários continentes. Algo que pode fazer a diferença mais na frente. Não vai existir dependência entre seus clubes, mas não existe motivo para não acontecer a colaboração. Ninguém sabe como vai ficar a nova ordem do futebol mundial daqui a cinco anos por exemplo. Mas pelo que parece Textor vem trabalhando para posicionar o Botafogo em um bom lugar.

Notícias relacionadas