O que precisa ser dito sobre o Botafogo no clássico e que a imprensa ignora

76 comentários

Blog do Mansell

Blog do Mansell

Compartilhe

O que precisa ser dito sobre o Botafogo no clássico e que a imprensa ignora
Vitor Silva/Botafogo

Quem não viu o clássico contra o Flamengo e decidiu se informar em alguns veículos de comunicação vai chegar a uma conclusão: o Botafogo deu sorte de vencer porque atuou como um time pequeno, fechado na defesa e que seu goleiro salvou o resultado. Além disso que o rival deu azar porque estava em um mal dia, mas que em condições normais atropelaria. Entretanto na verdade essa é apenas a visão fantasiosa de parte de uma imprensa que está tendo dificuldades de entender que as coisas estão começando a mudar e para o futebol ficar mais saudável.

Em um duelo entre um time grande e um perqueno que se limita a ficar na defesa, NUNCA o time pequeno vai ter mais posse de bola. Mas foi o Botafogo que teve mais posse de bola no clássico contra o Flamengo. Se fosse o contrário estaríamos ouvindo que “a maior prova que o Flamengo jogou mais é que teve mais posse de bola”. Mas como esse dado não favorece a gente ignora e vamos em frente.

Vale destacar que o gol de Erison não foi a única chance de gol do Glorioso no jogo. O próprio Erison poderia ter aberto o placar no primeiro tempo. Diego Gonçalves poderia ter ampliado na etapa final. O Botafogo não jogou por uma bola. Usou de uma estratégia para neutralizar o Flamengo e chegar ao triunfo no momento certo. A Matemática do jogo mostra isso, como o próprio técnico Luís Castro explicou após o jogo.

Luís Castro deu aula sobre equilíbrio no clássico

Luís Castro explicou estratégia do Botafogo

Aos que dizem que apenas Gatito decidiu, isso precisa ser valorizado. Ter goleiro faz a diferença. Em 2007 o Botafogo perdeu o título carioca justamente porque não tinha goleiro. E olha que estou sendo gente boa e esquecendo o impedimento absurdo que gerou a mais absurda ainda expulsão de Dodô.

Aliás, por falar de arbitragem, só restou isso após Luís Castro dar uma aula sobre o equilíbrio do jogo. Só restou dizer que a regra do impedimento está errada porque dessa vez não favoreceu a quem de direito. Mas apesar do blá blá blá só não dá para mudar o resultado final do clássico. E é isso que irrita alguns.

Notícias relacionadas