Textor tem bala na agulha na polêmica dos patrocínios. O negócio é criticar o Botafogo…

111 comentários

Blog do Mansell

Blog do Mansell

Compartilhe

Vestiário do Botafogo no Estádio Bento Freitas com a camisa contra o racismo
Vitor Silva/Botafogo

John Textor rompeu a maior parte dos contratos de parceria do Botafogo. O empresário deixou claro que não deseja ver a camisa do clube lotada de anunciantes e citou exemplos de times europeus. Mas recebeu muitas críticas de jornalistas brasileiros. Inclusive alguns profundos conhecedores de marketing. Entretanto a impressão que fica é que o negócio é criticar o Botafogo independentemente das ações.

Há alguns anos, sob a gestão de outra diretoria, o clube encheu de patrocínios a sua camisa. Gente que pagava pouco, mas que dava muito na soma dos valores. A estratégia escolhida pelos dirigentes da época foi ridicularizada por boa parte da imprensa. Quem pega as opiniões daquela época e as de hoje fica sem entender qual a melhor estratégia a ser adotada.

Textor parece saber o que deseja

Vídeo do Porta dos Fundos de 2015 brinca com patrocinadores do Botafogo
Vídeo do Porta dos Fundos de 2015 brinca com patrocinadores do Botafogo (Foto: Reprodução)

Bannder da loja do FogãoNET

Claro que muitas das críticas não se referem à poluição da camisa e sim a uma certa insegurança. Mas neste caso é importante lembrar que o novo investidor tem bala na agulha. Um dos patrocinadores a estampar a marca na camisa do Crystal Palace, a Facebank, é do empresário. Assim é preciso ter calma antes de partir ao ataque.

– Veja a Premier League, a La Liga, Bundesliga, eles não tem dez anunciantes espalhados pela camisa, o foco é o clube. Você tem um espaço de muito valor no peito para o patrocinador principal, tem o patrocinador para as mangas, no Crystal Palace está a minha empresa (Facebank). Conseguimos muito valor por isso, porque a camisa não está lotada de propagandas na frente e atrás. Ficando com menos patrocinadores, talvez eles paguem mais – disse ele ao “Canal do TF”.

Textor chegou ao clube e está tentando impor seu estilo. Mas tem deixado claro o que pretende e dá a entender que sabe muito bem como chegar ao seu objetivo. Assim o momento é de apoiar a fase histórica do Glorioso e torcer para que ela ledve o Alvinegro ao seu lugar. Claro que isso só serve para quem não torce contra. 

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas