Rafael Navarro x Rafael Moura: comentarista faz comparação e vê ‘desgaste tremendo’ para He-Man em situações no Botafogo, o que é natural e esperado

21 comentários

Boletim do C.E.

Boletim do C.E.

Compartilhe

Rafael Navarro e Rafael Moura, atacante do Botafogo | Série B do Campeonato Brasileiro 2021
Reprodução/Premiere

Rafael Navarro ou Rafael Moura? Não há dúvidas hoje quanto à titularidade no Botafogo, assim como é totalmente compreensível a importância de He-Man para o elenco, sobretudo pela experiência que passa aos mais jovens do elenco (e da posição), como Matheus Nascimento, de 17 anos.

No entanto, em algumas situações de jogo, Rafael Moura parece sentir mais a parte física e não performar bem. E isso é totalmente natural aos 38 anos de idade, precisando atuar por 90 minutos, como no último sábado devido à suspensão de Navarro e a convocação de Matheus para amistosos da Seleção Brasileira sub-17, e enfrentando a umidade da Amazônia, contra o Remo, no Baenão. Ele fez o que pôde e ainda acabou salvando uma bola importante no fim da partida.

Mas o que também é natural é a análise do desempenho do ataque do Botafogo pela crônica esportiva. No fim de semana, o jornalista Eduardo Mansell deu luz à questão principalmente por toda a história envolvendo o fim de contrato de Rafael Navarro. Segundo o colunista do FogãoNET, Rafael Moura é útil ao plantel, mas não para jogar uma partida inteira. E isso, acredito, seja quase uma unanimidade entre torcedores alvinegros. Teve alguém que pensou que He-Man reforçaria o Glorioso para ser titular absoluto e ser um dos artilheiros da Série B? Creio que não também. Chegou para agregar.

Banner de produtos com frete grátis na loja do FogãoNET: carteira, bolsa de academia e máscaras

Rafael Moura ‘precisa mais do entorno’ no Botafogo

Na televisão, Pedrinho, comentarista do Grupo Globo, também destacou o desempenho de Rafael Moura no Pará após partida válida pela 22ª rodada da competição nacional. O ex-jogador viu um “desgaste tremendo” do veterano quando foi necessário “correr um pouco mais” para auxiliar na marcação.

– Ele (Rafael Moura) precisa muito mais do entorno, o Rafael Navarro menos. Apesar de ter característica de área, ele sai um pouco mais e tem mais mobilidade. É muito físico. E ele (Rafael Moura) teve um desgaste tremendo porque o Botafogo desceu a marcação e ele teve que descer junto para compactar. E quando ele tem que fazer esse campo maior e correr um pouco mais, ele sente dificuldade – opinou Pedrinho na TV.

Se a diretoria errou na contratação de um centroavante, é uma outra discussão e podemos debater nos comentários abaixo. Mas me recordo que tanto o mercado quanto as contas do clube não ajudavam muito no garimpo, como quase sempre, lá por meados de maio. Se pararmos para lembrar, Alef Manga e Bruno Mezenga foram perdidos financeiramente para o Goiás, Hernane Brocador teve resistência da torcida e acabou saindo do Sport para o Confiança. Enfim, a missão era árdua e o começo da Série B urgia.

Notícias relacionadas