De 2010 pra cá só não aconteceu uma vez: um time treinado por Vagner Mancini sendo rebaixado no Campeonato Brasileiro.

 

Neste ano a sina do ribeirão-pretano de 48 anos, alavancado ao rol dos principais técnicos do futebol nacional graças à conquista da Copa do Brasil de 2005, com o modesto Paulista de Jundiaí, se repetiu.

Ele comandou o Botafogo desde o início da Série A e com a derrota para o Santos, domingo passado, na Vila Belmiro, caiu com a equipe carioca para a Segundona com uma rodada de antecedência.

Mancini também participou de toda a campanha do Guarani, clube pelo qual foi revelado como volante na década de 1980, no Brasileirão de 2010, e a paciência da diretoria campineira tampouco teve recompensa. O Bugre acabou rebaixado e até hoje não voltou – hoje está na terceira divisão.

Em 2011, passou pelo Ceará entre a 14ª e a 22ª rodada e pelo Cruzeiro da 29ª rodada até o final da competição. O Ceará foi rebaixado, e o Cruzeiro se livrou graças a goleada de 6 a 1 sobre o rival Atlético-MG, na última rodada.

O técnico ainda teve participação na queda do Sport em 2012, quando esteve no banco de reservas do Leão do Recife da primeira à 16ª partida do Campeonato Brasileiro.

A exceção foi 2013. Neste ano, Mancini levou o Atlético-PR de forma surpreendente até a terceira colocação da Série A, conquistou vaga na Copa Libertadores, mas não teve o contrato renovado pela diretoria.

Fonte: ESPN.com.br