Na parede do departamento médico alvinegro, um quadro diz: “estamos trabalhando há 30 dias sem lesões”. A marca de um mês — alcançada neste domingo, quando o Botafogo encara o Grêmio, pelo Brasileiro — é significativa para um clube que, no início do campeonato, acumulava problemas neste setor. É também o primeiro reflexo de investimentos feitos na prevenção de contusões.

Hoje, o Alvinegro consegue detectar quais atletas estão perto de se lesionarem graças a um termógrafo, aparelho que mede a temperatura muscular dos jogadores. Quando um deles está perto de “estourar”, é poupado de um jogo ou treinamento até que tenha condições.

Nesta semana, o Botafogo espera a chegada de mais um reforço tecnológico: o Kineo, aparelho que permitirá a detecção de desequilíbrios musculares nos atletas. Nos próximos meses, o clube terá também um GPS que coleta dados dos jogadores durante os treinamentos e os envia em tempo real para os profissionais da preparação física.

O investimento de cerca de R$ 400 mil se torna ainda mais importante na atual fase da temporada, quando as equipes disputam partidas no meio e no fim da semana.

— Hoje em dia, você passa mais tempo recuperando jogador do que treinando. Ter esses aparelhos não significa que não teremos lesões, mas reduz e muito as chances de elas acontecerem — explica o preparador físico Ednilson Sena.

A tranquilidade no departamento médico torna mais fácil a vida do coordenador Luiz Fernando Medeiros.

— Sou o funcionário que o presidente torce para pagar e não fazer nada — brinca o médico: — Os avanços na preparação física se tornaram muito importantes.

Os últimos frequentadores de seu consultório foram o meia Damián Lizio e o goleiro Jefferson. Os dois estão em fase final de recuperação e já trabalham com bola.

 

Fonte: Extra Online