PC Vasconcellos: ‘Sinalização que vejo é de Botafogo se construindo de maneira muito interessante’

89 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

PC Vasconcellos: ‘Sinalização que vejo é de Botafogo se construindo de maneira muito interessante’
Reprodução/Premiere

O empate em 1 a 1 com o Juventude, neste domingo, foi apenas o quarto jogo do Botafogo no Campeonato Brasileiro. Para o comentarista Paulo César Vasconcellos, no “Troca de Passes”, do SporTV, isso deve ser levado em consideração, assim como a influência do Estádio Nilton Santos lotado.

– Diria que o Botafogo foi muito traído pela ansiedade. A torcida do Botafogo foi impecável. Claro que saiu frustrada do estádio, porque foi lá contando com uma vitória. Viu um Botafogo bem intenso no primeiro tempo, que não deixou o Juventude atuar, mas também esteve ansioso e precipitado. Entendo que o Luís Castro, que ao longo do jogo se irritava e cobrava do Botafogo sem a bola, tem esse o grande desafio, fazer ser competitivo e assertivo sem a bola. Precisa de treinamento, aceitação do novo. Chegou ao empate com Diego Gonçalves, as entradas dele e de Matheus Nascimento foram boas. O resultado frustra, mas Luís Castro fez observação muito interessante, de que esse time precisa aprender que vai jogar com estádio cheio. Essa torcida, que jamais desistiu, apesar de todas as gestões descuidadas, agora está comparecendo em massa, incentivou, só no fim teve manifestações descontentes – afirmou PC.

O comentarista e ex-jogador Pedrinho também falou sobre como é jogar com o estádio cheio.

– A gente já fala isso há tempos. Quando o modelo não está muito fixo, o ambiente externo interfere. Já fiz isso, não era para dar bote, era para negociar espaço, fui em cima porque a torcida pedia, não era para ir. O torcedor tem que entender, participar sem interferir, não fazer o jogador errar. Por isso que brincamos de criar sementinha para entender o jogo – explicou.

Ainda assim, o saldo é positivo na opinião dos analistas.

– A sinalização que vejo é de Botafogo se construindo de maneira muito interesse. John Textor completou 30 dias, quatro jogos, mas falou que quer esse treinador, para conduzir processo que vai resultar nisso, nisso e nisso. Vejo consciência e convicção, que em muitos outros não está acontecendo. É óbvio que é uma construção. Por isso o Luís Castro falou que tem que acostumar a jogar com estádio cheio e fazer o que foi trabalhado – completou PC Vasconcellos.

Fonte: Redação FogãoNET e SporTV

Notícias relacionadas