Gustavo Noronha foi demitido do Botafogo. Porém, seu legado ainda vai continuar por um bom tempo. Assim como o de Nelson Mufarrej. Um exemplo disso é a negociação com Gabriel, que apresenta falhas da diretoria do Botafogo. É comum o argumento de que a falta de dinheiro faz negociar mal. Isso de fato acontece. Mas quando falamos em dinheiro. Alguns outros aspectos que envolvem uma negociação podem e devem ser melhor trabalhados do que vimos na transação envolvendo o zagueiro.

Matéria publicada pelo portal Yahoo mostra que o Bragantino, bancado por uma forte empresa, planeja contratar o zagueiro. E tirá-lo do Botafogo será mais fácil do que arrancar bala da mão de criança. Isso porque, mesmo cedendo Igor Rabello ao Galo, o Botafogo permitiu que o Atlético pudesse solicitar a qualquer momento, sem ônus, o jogador, seja para integrá-lo ao elenco ou para negociá-lo.

Confesso que já vi casos assim quando a negociação envolve o exterior. E mesmo assim com a vitrine em questão, no caso o Botafogo, recebendo algum. Entretanto, pelo visto isso não acontecerá.

Mesmo que queira investir o Botafogo é refém das falhas da diretoria

Muitos podem dizer: “Calma, mas nesse caso é só pagar pelos direitos federativos do atleta”. Não. Nem isso o Botafogo pode fazer. Na negociação não há um valor fixado caso o Botafogo tenha interesse em contratar o jogador.

Vamos supor que os investidores que o Ricardo Rotenberg fala que estão procurando o clube resolvam investir no jogador. O Botafogo vai ficar na mão do valor proposto pelo Galo, pois não pensou nisso ao ceder o então titular Igor Rabello.

Agora só resta torcer para encontrar em 2020 outras boas opções para a zaga do Glorioso. Como podem perceber, a apática gestão de Gustavo Noronha à frente do Botafogo segue deixando seu legado.

O dirigente procurou o Blog do Mansell para esclarecer a negociação. Para ler a nota clique aqui