O Botafogo tem por hábito estragar as datas comemorativas do Flamengo. E isso vem de longe. Desde os 6 a 0 de 1972, na data de aniversário do rival. Zico, maior ídolo flamenguista, nunca escondeu que o Botafogo era o adversário que mais lhe dava ódio. “Contra o Botafogo eu queria ganhar e meter gol de qualquer maneira”, conta o Galinho. Pois bem, quis o destino que justamente no dia que completou 60 anos, a sua festa de aniversário fosse estragada por um velho convidado: o Botafogo. É isso que o Quarentena Alvinegra vai recordar hoje.

Estamos falando de 3 de março de 2013. Botafogo e Flamengo disputariam a semifinal da Taça Guanabara para ver quem faria a decisão com o Vasco, que na véspera tinha aplicado 3 a 2 no Fluminense. O palco era o Estádio Nilton Santos. Estava previsto um jogo muito disputado. Além disso em alto clima de rivalidade.

O Flamengo do goleiro Felipe e de Leonardo Moura tinha alguns jogadores de qualidade, como os meias Ibson e Elias. Mas o Botafogo era muito melhor tecnicamente. Jefferson, Dória, Seedorf, Andrezinho, Lodeiro eram exemplos desta superioridade. Além disso, o time tinha no banco peças como o volante Gabriel e Vitinho. Entretanto, era preciso mostrar isso em campo.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

Vitória do Botafogo começou no primeiro minuto

Logo no primeiro minuto o Botafogo abriu o placar. E foi em um verdadeiro golaço de Júlio César. O lateral-esquerdo, que havia sido escalado na vaga de Márcio Azevedo, negociado naquela semana para a Europa, fez grande jogada individual. Ele rompeu a defesa flamenguista sem ser importunado e deslocou Felipe. Mas era só o começo.

Com a vantagem no placar o Botafogo poderia ter se aproveitado para ampliar ao longo do primeiro tempo, diante de um Flamengo na lona. Porém, o time perdeu muitos gols. No segundo tempo o Flamengo cresceu e foi para cima. Entretanto, dando espaços para os contra-ataques.

Vitinho decretou a classificação

Se o Botafogo começou a construir a vitória no primeiro minuto e a finalizou no último lance do jogo. Mas com requintes de crueldade. Após disputa na área botafoguense, o goleiro Felipe tinha se lançado ao campo de ataque. Mas não teve sucesso e não conseguiu voltar. Então, Jéfferson percebeu e fez um lançamento para o campo rival. Gabriel, de cabeça, ajeitou para Vitinho, sem goleiro, fuzilar para o fundo da rede. O Botafogo estava na final. Festa para um ídolo, este botafoguense, que estava vendo o jogo do estádio: Túlio Maravilha. Entretanto o ídolo do Flamengo…

Naquele Campeonato Carioca o Botafogo não deu chances para os adversários. Venceu o Vasco por 1 a 0 na final da Taça Guanabara. Entretanto, não parou por aí. Depois, na Taça Rio, foi campeão superando o Fluminense na final. O Glorioso papou o Estadual sem necessidade de final, a exemplo de 2010. Entretanto, fez mais do que isso. Deixou na memória um belo futebol.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 2 X 0 FLAMENGO

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 3 de março de 2013 (Domingo)
Árbitro: Graziani Maciel Rocha (RJ)
Renda: R$ 831.380,00
Público: 21.545 pagantes
Cartões amarelos: Dória, Lucas, Lodeiro, Jefferson, Gabriel e André Bahia (Botafogo) e Marcos González, Renato Abreu, Ibson e Gabriel (Flamengo)
Gols:
BOTAFOGO: Júlio César a 1 minuto do 1º Tempo e Vitinho aos 49 minutos do 2º Tempo

BOTAFOGO: Jefferson, Lucas, Bolívar, Dória e Júlio César (André Bahia); Marcelo Mattos, Fellype Gabriel, Seedorf, Andrezinho (Gabriel) e Lodeiro (Vitinho); Rafael Marques. Técnico: Oswaldo de Oliveira

FLAMENGO: Felipe, Leonardo Moura, Wallace, Marcos González e João Paulo; Víctor Cáceres (Gabriel), Elias (Rodolfo), Ibson e Carlos Eduardo (Renato Abreu); Rafinha e Hernane. Técnico: Dorival Júnior