O cruzamento de Gilson no fim do jogo foi o reflexo do Botafogo no empate sem gols com a Chapecoense na noite desta segunda-feira no Estádio Nilton Santos. Um time que tenta dar sinais de que pode fazer algo de bom, mas que esbarra nas suas próprias limitações. Gilson, que ficou no elenco, ao contrário de Jonathan, negociado por duas paçocas e uma mariola, é mais o menos o que tem para hoje. É com isso que vamos ter que conviver até dezembro.

O Botafogo não deve brigar contra o rebaixamento. Afinal de contas, tem muito time ruim para fazer isso pelo Glorioso. Menos por seus méritos, mais por conta da fragilidades de equipes como CSA e Avaí, que o fim de 2019 não deve ser traumático.

Se contentar em não cair é muito pouco

Porém, brigar para não cair não é mérito para um clube da história do Botafogo. É apenas alívio para a torcida que sabe o time que tem. O que mais dá para lamentar é que a vaga na Libertadores não seria tão impossível com algumas peças a mais.

O Botafogo desde o começo da temporada luta contra as suas próprias limitações. Mesmo assim, antes mesmo de o primeiro turno terminar, já conseguiu metade da pontuação necessária para escapar da degola. Sem Erik, sem Jonathan e, principalmente, sem reforços, vai ver muitos cruzamentos errados do Gilson, esperando que 2020 traga bem mais do que o clube merece.

LEIA TAMBÉM:

Gatito Fernández: repercussão do caso Jonathan e chegada dos Moreira Salles inibem Botafogo
Venda de Jonathan é reflexo da péssima gestão de Nelson Mufarrej
Preocupação de ilustres é manter Botafogo longe do risco de rebaixamento
Botafogo se junta a influenciadores digitais para fortalecer sócio-torcedor
Botafogo é um herói no Campeonato Brasileiro
Botafogo: falta de negociações na janela gera desespero
No Botafogo de Mufarrej até o certo é feito de forma errada
Mendonça deveria servir de exemplo para Mufarrej
Até que ponto o elenco do Botafogo está certo no protesto contra o atraso nos salários?
Renovações de contratos: Botafogo prioriza Pimpão e Cavalieri. Gilson e Alan Santos em análise
Moreira Salles no Botafogo: clube já viveu épocas douradas