Nunca escondi que tenho pouca admiração pela gestão de Nelson Mufarrej à frente do Botafogo. Mas admito que o presidente tem a capacidade de se superar quando o assunto é a falta de competência. Um exemplo está na gestão de crise que se instalou em General Severiano desde que os jogadores se negaram a dar entrevistas e a participar de ações de Marketing por conta dos dois meses de salários em atraso.

Mufarrej vai sempre pelo caminho mais confortável. Admite o momento complicado, sabe que os jogadores têm o direito de reclamarem, mas não acena com alguma medida que realmente possa ser determinante para solucionar o problema.

Que a falta de dinheiro é evidente e que não é nada fácil lidar com isso todos sabemos. Porém, mais complicado ainda é ter que engolir que o clube sequer ter um patrocinador master. As ações de Marketing são sempre ineficientes. O pior disso tudo é ouvir que conversas estavam em andamento, mas a Copa América atrapalhou. O torneio continental levou menos de um mês. E antes disso Marketing botafoguense?

Se sonha com Moreira Salles e se acorda com Mufarrej

O Botafogo de Mufarrej não é apenas o de desculpas sem o menor sentido. É também do amadorismo, da falta de comunicação, de correntes políticas que não se entendem e de factóides. E neste cenário o departamento de futebol apaga um incêndio por dia, sem recursos sequer para comprar o balde de água.

No Botafogo de Mufarrej até o certo é feito de forma errada. Os jogadores protestam se escondendo de entrevistas e eventos de Marketing, diminuindo ainda mais a capacidade de receita. Nada inteligente. Enquanto isso, o torcedor segue sonhando com os Moreira Salles. O triste é ter que acordar do sonho dando de cara com Mufarrej.

LEIA TAMBÉM:

Mendonça deveria servir de exemplo para Mufarrej
Até que ponto o elenco do Botafogo está certo no protesto contra o atraso nos salários?
Renovações de contratos: Botafogo prioriza Pimpão e Cavalieri. Gilson e Alan Santos em análise
Biro Biro não é unanimidade no Botafogo. Alan Ruiz é oferecido
30 anos do fim do jejum: Espinosa sabia que o Botafogo só seria campeão se fosse invicto
30 anos do fim do jejum: a campanha, o elenco e curiosidades do título
30 anos do fim do jejum: Mauro Galvão destaca força mental do Botafogo
30 anos do fim do jejum: Luisinho se negou a deixar o Botafogo até ser campeão
30 anos do fim do jejum: Emil Pinheiro montou o Botafogo campeão de 1989
30 anos do fim do jejum: Botafogo promove festa nesta sexta
Moreira Salles no Botafogo: clube já viveu épocas douradas